A frágil verdade de Descartes

Ao escrever o livro Discurso sobre o Método, o filósofo René Descartes tentou disciplinar a ciência a partir do método, extraindo tudo que fosse de caráter especulativo e obtendo apenas a verdade, o concreto. Para tal, utilizou a dúvida, a razão, a matemática e a ordem como ferramentas norteadoras. Para Descartes o método seria um instrumento, que bem manejado levara o homem a verdade, para que nunca se aceitasse o falso por verdadeiro, jamais deveria acreditar em nada que não tivesse fundamento para provar a verdade.
O filósofo propunha a fragmentação do objeto de estudo a fim de melhor entender, compreender, estudar, questionar, analisar, criticar, o todo, o sistema, experimentando-os na esfera da ciência e da razão, ou seja, estudá-las empiricamente, cientificamente, historicamente e racionalmente. Embora na teoria tudo pareça tão coerente, na prática nada assegura que durante a fragmentação do objeto não haja perdas de informação. Pois nossa passionalidade pode agir de modo inconsciente tolhendo nossa racionalidade, de modo a atender nossas vontades.
O método mostra-se eficaz para determinação de uma verdade científica, indubitável, porém é relevante ressaltar que nem tudo pode ser traduzido em uma verdade científica, absoluta. As vezes, o que entendemos por verdade não passa de metáforas. Indo um pouco mais longe, e considerando que a verdade seja uma mentira coletiva, nada nem ninguém nos asseveraria que no momento de estabelecimento da verdade não estabelecê-la-íamos como sendo tal mentira, que para todos é amplamente plausível e incontestável. Também podemos considerar o tempo como um agente modificador da verdade, pois até mesmo verdades científicas tornam-se inverídicas com o passar do tempo.
Portanto, nota-se que o Discurso sobre o Método, de Descartes, é válido para organização e disciplina da ciência, bem como da pesquisa científica. Porém não é imune à falhas, haja vista que onde há humanidade, há passionalidade e consequentemente há  interferência na racionalização dos eventos e objetos de estudo, pois nem mesmo as máquinas criadas pelo homem são capazes de distanciar-se totalmente do objeto durante a experimentação empírica. 


Arthur Melo

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.

Nenhum comentário:

Postar um comentário