A Ciência acima do Muro

As mudanças ocorridas na conceituação da ciência durante o século XVI, bem como os avanços científicos da época, resultaram em fortes transformações na sociedade, modificando o  agir e o pensar das pessoas. Tais mudanças podem ser observadas sobre três óticas distintas: pessimista, otimista e moderada.

Seria irônico dizer que a ciência é benéfica ou maléfica, posto que esta por si só não nos influencia, na verdade, nós que atribuímos a ela caráter de benevolência ou malevolência a partir do momento em que a utilizamos como ferramenta em nosso cotidiano. A ciência descansa imaculada a espera de quem a utilize sob julgo de seus ideais.

A partir de uma análise empírica acerca dos impactos ocasionados pelo uso da ciência, pode-se dizer que há uma razão moderada entre maléficios e benefícios. É incontestável o mérito de grandes cientistas, que contribuíram para cura de doenças e mitigação de problemas sócio-econômicos, todavia, são incontáveis os prejuízos gerados pelo mau emprego da ciência, como a bomba atômica e os problemas ambientais.

Entretanto seria incoerente adotar uma vertente totalmente otimista ou totalmente pessimista, pois assim, estaria-se anulando todos os danos  ao considerá-la totalmente benéfica e vice-versa. Tudo aquilo que está sob julgo humano é passível de ambiguidade e relatividade, impedindo a construção de um conceito incontestável em sua totalidade. Aos pessimistas, cabe pensar que para solução de todos problemas apontados por eles como sendo causados pela ciência, será utilizado a própria ciência, havendo assim, uma contradição de ideias. Da mesma forma, aos otimitas cabe observar os problemas enfrentados pelo homem em decorrência de suas próprias ações ao utilizar a ciência.

Portanto, o uso de uma ótica moderada pode ser encarada como sendo a mais plausível, por balancear todas características passíveis de serem empregadas durante o uso da ciência, bem como todos possíveis resultados. Concluindo-se que as vezes ficar em cima do muro pode ser a medida mais prudente a ser adotada.



Arthur Melo

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.

Nenhum comentário:

Postar um comentário